A+ A A- Tamanho de Fonte C Contraste 简体中文EnglishPortuguêsEspañol

Codec encerra participação no Salão do Chocolate de Paris com excelentes resultados

Com mais de 500 participantes do mundo todo, cerca de 60 países representados e aproximadamente 150 mil visitantes em cinco dias, o Salão do Chocolate de Paris é o maior evento global dedicado ao chocolate e ao cacau. Na edição deste ano, representantes do Pará, estado responsável pela maior produção de cacau do Brasil, participaram de visitas, workshops e falaram de negócios no Estande dedicado a representantes brasileiros durante a feira promovida em Paris (França).

A comitiva paraense foi composta por Hildegardo Nunes, Secretário da Secretaria de Desenvolvimento, Mineração e Energia (SEDEME); João Carlos Ramos, titular da Secretaria de Desenvolvimento Agropecuário e da Pesca (SEDAP); e a Secretária Adjunta, Rose Remor; representantes da CEPLAC; e da Companhia de Desenvolvimento Econômico do Pará (CODEC), Fábio Lúcio Costa (Presidente) e Eduardo Klautau (Diretor de Atração de Investimentos e Negócios). Representantes do Sistema Fiepa, por meio do Centro Internacional de Negócios (CIN) e vários produtores de cacau e chocolate também estiveram presentes.

Com o objetivo de apresentar o Pará na vitrine do mercado internacional, os representantes paraenses tiveram a missão de divulgar ainda mais o potencial do Estado na produção de cacau, além de manter contatos técnicos e comerciais para potencializar a comercialização do produto paraense nos mercados nacional e internacional. Além da produção atual, a intenção é ampliar o volume do que é produzido em solo paraense das atuais 100 mil toneladas por ano para 200 mil toneladas anuais até 2022.

Para entender o processo de como chegar no mercado europeu, produtores de cacau e chocolate de diversas regiões do Pará também participaram do evento em Paris com o objetivo de atualizar técnicas, inovações e tendências do mercado mundial, além de interagir com produtores de outros países como Madagascar, Costa Rica, Colômbia, Costa do Marfim, Suíça, França, Bélgica, México, e muitos outros.

Segundo o Presidente Fábio Lúcio Costa, o papel da CODEC nesta incursão alinha-se com o objetivo central da Companhia. “Nosso papel é promover, de forma sustentável, o desenvolvimento da indústria, comércio, serviços e dos recursos minerais do Estado do Pará e nesse sentido, fazer a interlocução entre os produtores e as indústrias”, explicou. “Por isso trazer produtores das regiões do Pará que representam Associações e Cooperativas no Salão do Chocolate em Paris é uma experiência que deve ser compartilhada e estimulada”, afirmou.

Eduardo Klautau, Diretor de Atração de Investimentos da CODEC, acredita que este é momento para investir na capacitação de produtores, na aquisição de maquinários e de tecnologias de produção em parceria com cooperativas e com o Sistema Fiepa para alavancar o desenvolvimento. "O Pará despontou na produção de cacau do país e agora, mais do que nunca, pensamos em sair do regime de commodities e mostrar aos produtores a necessidade de verticalização da produção”, declarou.

Para o titular da SEDEME, Hildegardo Nunes, a produção do cacau paraense é um dos principais agentes de desenvolvimento do Estado. "Estamos dando sequência a um trabalho que vem se consolidando na área do cacau desde 2012. Em breve já vamos definir as metas e prioridades para o setor do cacau em 2019”, revelou.

O chefe do serviço comercial e de investimentos da Embaixada do Brasil em Paris, Alberto Fonseca, esteve presente com a delegação paraense no primeiro dia do Salon du Chocolat, representando o Embaixador. Segundo ele, “é importantíssimo estar nessas feiras com essa produção diferenciada, premium, sustentável, para mostrar a imagem do Brasil como um país que não vende só commodities”.

Ubiracy Fonseca, Presidente da Associação Brasileira da Indústria de Chocolates, Amendoim e Balas (ABICAB) parabenizou o trabalho desenvolvido no estande Cacau do Brasil no Salão do Chocolate. “É muito importante o Pará participar deste evento considerado um dos maiores do mundo. Nós da ABICAB também procuramos estar sempre presentes nestas ocasiões especiais, aprimorando nosso conhecimento e atentos novas tendências mundiais do nosso setor”, declarou.

Para a representante do Sistema Fiepa, coordenadora do CIN, Cassandra Lobato, o salão também proporciona aos produtores de cacau e chocolate várias oportunidades de mostrar ao mercado internacional o que o cacau do Pará ainda pode conquistar. “A amêndoa paraense é premiada e de boa qualidade. Além de nossa animadora perspectiva de negócios a partir deste evento, levamos na bagagem novas tendências do chocolate gourmet. Tudo isso nos motiva a investir nesse nicho para verticalizar a produção do cacau no Estado do Pará”, finalizou.