A+ A A- Tamanho de Fonte C Contraste 简体中文EnglishFrançaisPortuguêsEspañol

Flexibilização das atividades comerciais é debatida durante reunião

Primeira etapa do Retoma Pará foi avaliada positivamente pelas autoridades que estudam e acompanham o programa

 

Estiveram presentes na reunião representantes do Estado e pesquisadores da Ufra e da UFPA Foto: Bruno Cecim / Ag. PA

O programa Retoma Pará foi discutido durante uma reunião, na noite da última terça-feira (16), por representantes do governo do Estado e pesquisadores da Universidade Federal Rural da Amazônia (UFRA) e da Universidade Federal do Pará (UFPA). O encontro ocorreu para que as autoridades realizassem uma avaliação do modelo de bandeiramento nas oito regiões de regulação que as autoridades estaduais monitoram durante a pandemia do novo coronavírus.

Esse foi o primeiro debate avaliativo após o início da retomada gradual das atividades econômicas em algumas regiões do Estado, anunciada no dia 1° de junho. Analisado semanalmente, o desempenho da primeira etapa do Retoma Pará foi avaliada positivamente pelas autoridades que estudam e acompanham o programa, mas com ressalva sobre a importância de a população continuar fazendo a sua parte.

“A avaliação nos traz a percepção de como está a evolução na matriz que leva em conta a curva de contágio e a capacidade do sistema de saúde, pois a melhora nestes indicadores é o que nos sinaliza sobre a maior ou menor flexibilização das atividades econômicas. Importante ressaltar que esta flexibilização se dá de forma gradativa e responsável, levando em conta a aplicação dos protocolos comportamentais. A população precisa estar ciente e evitar aglomerações, pois somente assim iremos reduzir os novos casos” - Adler Silveira, titular da Sedeme.

A decisão para a reabertura gradual foi pautada em três pilares: economia, saúde e protocolos. Na saúde, foram avaliadas a evolução da doença, o crescimento dos casos e impacto em grupos de risco. Também foi levada em conta a capacidade do sistema de saúde, com disponibilidade de leitos e testagem e monitoramento da transmissão da Covid-19. Foram considerados ainda protocolos e vulnerabilidade econômica, engajamento do cidadão e abordagem regional, definindo as medidas de retomada por regiões.

O Retoma Pará é desenvolvido por um capacitado e importante grupo de trabalho, comandado pela Sedeme, mas que também conta com profissionais da área de saúde. A Empresa de Tecnologia da Informação e Comunicação do Pará (Prodepa), por exemplo, opera um banco de dados necessário para a definição do bandeiramento, com a participação de pesquisadores da Ufra e UFPA no acompanhamento do modelo epidemiológico. O respaldo jurídico fica por conta da Procuradoria Geral do Estado (PGE) e a Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social (Segup) atua na operacionalidade dos protocolos na área da segurança.

Por Raiana Coelho (SEDEME)